HÁ MAIS DE 30 ANOS NO MERCADO




INSS: Erros mais cometidos na hora de solicitar a aposentadoria


Para grande parte dos brasileiros, a aposentadoria representa mais que o fim de uma longa vida de trabalho, mas também a principal ou até mesmo a única fonte de renda do trabalhador na velhice.

Diante de tantas mudanças trazidas pela Reforma da Previdência, muitas pessoas ainda têm dúvidas sobre como funciona o pedido de aposentadoria. 

Sabemos que isso traz preocupação, por isso, os erros na hora de solicitar o benefício podem prejudicar o cidadão que precisa se aposentar e, infelizmente, a maioria dos segurados do INSS (Instituto Nacional do Seguro Social) acabam cometendo algum deles. 

Então, para que você entenda melhor como isso funciona e consiga a sua aposentadoria, listamos neste artigo os oito erros mais comuns na hora de se aposentar. 

Aposentadoria

Com a Reforma da Previdência, o tempo de contribuição é de 15 anos e a idade mínima exigida para aposentadoria aumenta seis meses a cada ano, até chegar a 62 anos para mulheres e 65 anos para homens em 2023.

Mas quem está perto de se aposentar, pode entrar em uma das cinco regras de transição para conseguir o direito antes.

Para isso, é preciso analisar os critérios estabelecidos por cada uma delas e verificar qual você se encaixa. 

Principais erros cometidos 

Listamos oito erros mais cometidos pelos interessados em se aposentar.

Isso pode te ajudar a evitar algumas situações que podem interferir no seu pedido.

Veja quais são: 

Não saber quando pedir a aposentadoria: pedir a aposentadoria a qualquer momento pode te prejudicar. Então, esteja atento às datas para pedir a aposentadoria. Então, espere passar seu aniversário para entrar com o pedido, pois, se for mais velho melhor será a sua aposentadoria. Caso faça aniversário no final do ano, aguarde até janeiro do próximo ano, isso porque o teto do benefício é corrigido no início de cada ano; 

Pedido de aposentadoria cedo demais: falamos acima que se você for mais velho, melhor será a aposentadoria. Então, saiba que existe o fator previdenciário que diminui o valor do benefício pago pelo INSS. Então, mesmo que você já tenha cumprido os critérios de contribuição, é melhor aguardar um pouco mais para  completar uma idade onde o fator previdenciário não irá interferir tanto.

Não avaliar os tipos de aposentadorias: atualmente, a aposentadoria por pontos é considerada a melhor opção, uma vez que não há incidência do fator previdenciário. Mas antes analise com calma as modalidades de aposentadoria que estão disponíveis e faça o seu planejamento. 

Modalidade de aposentadoria errada: antes de pedir a aposentadoria faça a simulação das modalidades que estão disponíveis. Para isso, existe uma calculadora no site do INSS que pode te ajudar a conferir suas informações e verificar qual modalidade é a melhor para você, pois, se escolher a aposentadoria errada também estará perdendo dinheiro. 

Deixar de incluir a atividade especial: os trabalhadores que exercem atividade insalubre ou perigosa precisam registrar essa informação no CNIS. O período de contribuição nesse tipo de trabalho poderá aumentar nos meses de contribuição do trabalhador. 

Não ter planejamento previdenciário: muitas pessoas não fazem o planejamento da sua aposentadoria para entender como funciona. Isso irá ajudá-lo a entender se a contribuição está sendo feita da forma correta e qual é a melhor modalidade para seu caso. Para isso, conte com a ajuda de um advogado.

CNIS desatualizado: o CNIS (Cadastro Nacional de Informações Sociais), se trata de um banco de dados que também é utilizado para calcular a sua aposentadoria. Nele constam as informações sobre contribuições e vínculo de emprego do trabalhador. Então, é importante verificar se o CNIS está atualizado, pois, se não estiver correto o cálculo da aposentadoria terá erros e você perderá dinheiro.

Deixar de verificar seu processo de aposentadoria: ao se aposentar, o INSS irá enviar à você a Carta de Concessão, onde constam informações sobre o valor da sua aposentadoria, o cálculo e o fator previdenciário, além dos dados da conta onde será depositado o benefício. Por isso, verifique se há erros de cálculo e se há períodos que não foram registrados, assim como vínculos trabalhistas. Se sacar o benefício sem verificar, estará concordando com o valor depositado, depois, apenas com a ajuda de um advogado você poderá pedir uma Revisão da Aposentadoria.